Do chão...

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013


Há  paisagens que às vezes não são de cores... castanho, ou negro. Só vem a morrer... porque chegou o seu último fim. Aos gritos.  Não faltam só cores...Há dias tão duros e frios...outros em que se não sabe de ar para tanto calor. Quieto o vento, não se dá por nada, nem mesmo passando perto. O céu tanto lhe dá por faltar... e para baixo desmaia-se em barro por fado de vida, tendam com o tempo a fechar-se entre deserto. Almas mortas, ou ainda vivas?  
Uma enorme massa de nuvens, densa e enrolada, mergulha mal definido ao descampado que  parece inatingível, uma comparação, seria talvez saudade. Ameaça cordas de água regular, mas daquelas para muitas horas... se é o céu que molha, se a paisagem que encharca...são os desabafos quando outros de melhor consonância se estão longe... e por suas razões vai atravessando... e aclarando o  o que não estava, antes mais carregado de ti. Por diferentes palavras mas igual sentido se explica o lamento...  meu coração defeituoso, ainda está bem...

1 comentários:

edumanes disse...

Aqui onde há sonhos estou passando
Também há voos, paz e muito amor
No caminho escuro estrelas iluminando
Num lindo jardim colhi uma linda flor!

Para a uma senhorita oferecer
Em suas mãos a entregar
Se de boa vontade a quiser receber

Desejo boa noite para
sonhos, amor e voos,
um abraço
Eduardo.